Skip to content

A realidade da Saúde Pública em Juiz de Fora

Por Elisa Macedo

Atualizado em 25 de março de 2014

Sistema de Saúde de Juiz de Fora enfrenta dificuldades no atendimento à população. O aumento da demanda e precariedade no serviço são problemas apontados como causa, o que tem gerado revolta nos usuários que promovem protestos contra a situação seja nas redes sociais, ou mesmo no local com cartazes megafone.

Foi o que aconteceu no início deste mês, quando moradores da região Norte da cidade se aglomeraram em frente à Policlínica de Benfica. A cobrança era por atendimento que parou de ser oferecido normalmente, após a inauguração da Unidade de Pronto Atendimento Norte, UPA-Norte e contra a terceirização do setor.

Dentre as reivindicações, estava incluído o pedido de reativação da regional como era há dois anos, que contava com a presença de médicos especializados e serviço ambulatorial. Maurício Lima, participante da manifestação, reclama da falta de assistência no local “tem um grupo de praticamente de 6000 usuários com prontuário e os mesmos não estão sendo atendidos. Eu, como exemplo, estou desde outubro de 2012 sem consultar com meu cardiologista sendo que fazia acompanhamento desde 2006”.

Questão dual da saúde em JF; moradores opinam via redes sociais.

Questão dual da saúde em JF; moradores opinam via redes sociais.

Com imagens divulgadas em uma página do Facebook chamada “Nova Era no Face”, a população tenta chamar atenção das autoridades políticas para apresentarem uma solução. A rede tem sido vastamente utilizada pelos moradores da cidade para expressarem sua opinião, tanto para cobrar mudanças, quanto pra elogiar o serviço. Na página “Juiz de Fora da Depressão”, que conta com mais de 52.670 curtidas, é possível visualizar diversas postagens sobre o atendimento nos postos de saúde e hospitais de Juiz de Fora.

A inauguração da unidade em 2012, a princípio, veio como uma esperança para a população da Zona Norte, que contava anteriormente com serviços prestados pela Policlínica de Benfica, que não estava preparada para receber a demanda que aparecia como traumas, fraturas, pedidos de cirurgias, o que era encaminhado para o Hospital de Pronto Socorro da cidade. Entretanto, não foi isso que aconteceu. A reivindicação da população da Zona Norte é justamente a demora de atendimento por parte da UPA e o não atendimento, ou atendimento reduzido por parte das Unidades de Atendimento Primário de Saúde, UAPS .

A Secretaria de Saúde para informar quais seriam as obrigações que caberiam a UPA e quais eram de responsabilidade da Policlínica, entretanto, nada foi falado. O contato do responsável por esse assunto, Custódio Mattos, foi feito, porém, este não respondeu nenhuma das ligações.

UPA - Região Norte no período inaugural.

UPA – Região Norte no período inaugural.

O enfermeiro do quadro efetivo da UPA – Norte, Amilton Lima, informou que o problema da sobrecarga na unidade, o que ocasiona atrasos em atender parte da população, é devido aos problemas de funcionamento dos postos de saúde da região.

ÀUDIO AMILTON

Janaína Aparecida é um bom exemplo dessa situação. A auxiliar de confeitaria estava com a filha na UPA neste domingo.

ÁUDIO JANAÍNA

Segundo Amilton, a unidade da região norte é a única considerada UPA de nível 3 “a gente tem aqui atendimento de clínica, ortopedia e cirurgia”, afirma o enfermeiro que já completa 7 meses de trabalho no local. Ele ainda aponta que no caso de cirurgia da área de ortopedia da cidade, a UPA costuma ser a única opção algumas vezes. “Então esses pacientes acabam vindo de demandas tanto da cidade, quanto das cidades vizinhas”, complementa Amilton.

A questão da saúde continua cada vez mais dual. Alguns pacientes levam horas para serem atendidos em dias de grande demanda. Porém, quando a situação está controlada, levam menos de meia hora para serem atendidos. Janaína , que estava com a filha na UPA neste domingo. Janaína ainda elogiou o atendimento e afirmou ter esperado menos de 10 minutos para ser atendida.

ÁUDIO JANAÍNA

Na tarde de domingo, a equipe de jornalismo tentou entrar em contato com o atendimento da Policlínica de Benfica. No entanto, um dos trabalhadores, que preferiu se identificar como Porteiro Luiz, passou a informação de que nos fins de semana nenhum serviço é oferecido pela Policlínica, uma vez que ela é “posto de saúde”.

Para saber como você pode levar suas reclamações para os órgãos públicos, veja o vídeo abaixo.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: