Skip to content

Curso de Jornalismo da UFJF completa 55 anos e segue tendências de mercado

Por Gisele Rocha

Em 2014, o curso de Jornalismo da Universidade Federal de Juiz de Fora completa 55 anos de existência. Poucos sabem, mas este foi o primeiro curso de Jornalismo de Minas Gerais. Ao longo de todo esse tempo, sua estrutura física e grade disciplinar passaram por diversas mudanças que acompanhavam as demandas do meio profissional.

A princípio, o curso era subordinado à Faculdade de Direito, cuja sede ocupava o casarão que hoje pertence ao Forum da Cultura. Com a construção do campus universitário nos anos 1970, o núcleo foi transferido para o Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), onde ficou até o término da edificação da Faculdade de Direito, em 1971, para onde se mudou ainda como departamento de Jornalismo.

Em 1990 o curso passou para o atual prédio e, obedecendo a algumas exigências do Ministério da Educação (MEC), conseguiu se emancipar e tornou-se a Faculdade de Comunicação com a estrutura física semelhante a que temos hoje. À época, o aluno cursavas disciplinas de base até o terceiro período e após isso escolhia ente três habilitações: Jornalismo, Radialismo e Relações Públicas.

O curso de Relações Públicas era destinado a aqueles que vislumbravam atuar no mercado de Comunicação Empresarial e áreas afins. Em meados dos anos 90, o curso foi extinto por causa da baixa demanda por parte dos alunos e por escassez de professores. A professora e vice-diretora da Faculdade de Jornalismo, Marise Pimentel, foi aluna do curso de RP e conta no vídeo abaixo um pouco da história que presenciou durante seus anos de faculdade.

Por sua vez, o curso de Radialismo (Rádio e TV), oferecia disciplinas voltadas para a produção, tanto em rádio, assim como em TV e cinema. A grade era escolhida de forma a desenvolver as habilidades técnicas dos alunos.

A habilitação em Radialismo deixou de ser oferecida em 1999, não só pela falta de procura por parte dos alunos, mas também em razão de divergências internas dentro da Universidade. Ao que conta o professor Cristiano Rodrigues, o departamento de Radialismo sempre foi mais frágil que os outros, com menos professores. À época alguns professores desestimulavam os alunos em relação ao mercado e desejavam a dissolução do curso por acreditarem que as verbas utilizadas nele poderiam ser destinadas ao curso de Jornalismo.

A seguir, o professor Márcio Guerra explica o que levou à extinção das habilitações de Relações Públicas e Radialismo.

A partir daí, a Faculdade de Comunicação passou a oferecer apenas a habilitação em Jornalismo. Apesar do desaparecimento dos outros cursos, algumas disciplinas continuaram sendo oferecidas e o Departamento de Comunicação da universidade passou a ser dividido em Comunicação e Artes, Jornalismo e Televisão e Rádio. Porém, em 2010, o Ministério da Educação exigiu reformulações curriculares e de nomenclatura dos cursos, para que fossem melhor direcionados. Nesse contexto surgiu a proposta de uma nova habilitação. Foram aplicadas pesquisas com os alunos e decidiu-se pelo curso de Rádio, TV e Internet.

Nova habilitação em Rádio, TV e Internet

Pode-se dizer que a esta é uma nova versão do curso de Radialismo (Rádio e TV), que agora engloba a Internet para se adaptar à realidade atual. Ele visa formar

profissionais com embasamento teórico e prático capazes de trabalhar em emissoras de rádio e televisão, como o nome sugere, mas também em agências de publicidade, assessorias de comunicação e que sejam aptos a produzir, editar e apresentar programas para as diversas mídias.

A nova habilitação deverá começar a ser oferecida em 2015, junto com o curso de Jornalismo já adequado às novas diretrizes curriculares estabelecidas pelo MEC. Devido à questões de ordem política, o prédio que comportará os dois cursos será concluído apenas em 2016. O novo espaço contará com ambientes informatizados, laboratórios de assessoria, agência de notícias, estúdios de rádio e televisão com aparelhagem mais moderna, estúdio de fotografia, amplo espaço para empresa júnior e produtora, entre outros. Segundo o diretor da Faculdade de Jornalismo, Jorge Felz, o atraso na construção do edifício não afetará significativamente os alunos, visto que nos primeiros semestres as disciplinas são de caráter teórico, o que não demanda tanta infraestrutura e equipamentos.

De acordo com Jorge Felz: “O mercado para esses profissionais é extremamente competitivo, com grandes ofertas e em alta expansão”. No vídeo a seguir Felz fala sobre o curso e as possibilidades de trabalho para os egressos.

Além da graduação, a Faculdade de Jornalismo da UFJF passou a oferecer cursos de especialização e mestrado. Entre elas, as já extintas especializações em “Mídia e Deficiência” e “Mídia, Globalização e Cidadania” e os atuais cursos de especialização em Comunicação Empresarial, Televisão, Cinema e Mídias Digitais e Jornalismo Multiplataforma. A unidade conta também com um Programa de Pós Graduação em Comunicação.

Abaixo, uma galeria para lembrar os melhores momentos dos 55 anos do Curso de Jornalismo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: