Pular para o conteúdo

Desafios para os jovens de JF

Programas socioeducativos não atigem todos os jovens em risco social na cidade

Carina Scaldini

Publicado em 07/08/2013

Apesar da existência de programas socioeducativos e de formação para os jovens na cidade, a juventude juizforana ainda enfrenta alguns desafios. A juventude ainda enfrenta dificuldades de inserção no mercado de trabalho e garantia de autonomia, a violência atinge em sua maioria jovens entre 13 e 25 anos e poucos participam de atividades sócio-culturais.

De acordo com dados do IBGE, a taxa de desemprego entre os jovens brasileiros (18-24 anos) gira em torno de 12,8%, o que representa mais do que o dobro da taxa para adultos, que é de 5,8%. Além disso, conforme o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CADÚNICO), em Juiz de Fora, das 39.019 famílias cadastradas (127.424 pessoas, quase um quarto da população de Juiz de Fora, de 517.872 habitantes), 10,6% das crianças e adolescentes trabalham e apenas sete por cento das crianças e adolescentes estão inseridas em programas sociais e culturais oferecidos pelo município, sendo que a prefeitua de Juiz de Fora possui 21 programas sociais.

Para tentar mudar esse panorama, existem conselhos municipais de juventude, que mobilizam jovens de diversos movimentos populares para debater e propor ações para os jovens . Em Juiz de Fora, o conselho foi criado em julho deste ano. O membro do Conselho Municipal de Juventude de Juiz de Fora, o universitário Victor Cezar Rodrigues, fala sobre a importância do conselho de juventude para discutir e propor ações de melhoria da qualidade de vida dos jovens da cidade:

Estatuto da Juventude

O Estatuto da Juventude foi sancionado pela presidenta Dilma na segunda-feira, 5 . O estatuto estabelece direitos para jovens entre 15 e 29 anos, garante a meia-entrada em eventos culturais e esportivos de todo o país para jovens de baixa renda e estudantes, tendo sido vetado o artigo que previa meia-passagem em transporte interestadual para estudantes. Além disso prevê a criação de Conselhos Municipais de Juventude em todo o país, para que os jovens possam dar opinião e participar de decisões políticas e formular projetos que possam modificar a realidade dos jovens de sua cidade.

A advogada e mestranda em Direitos Humanos pela UFJF, Lia Manso, fala sobre o Estatuto da Juventude:

Ela explica, ainda, alguns exemplos de políticas públicas para a juventude:

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: