Skip to content

Juiz de Fora comemora o dia da Consciência Negra com diversas atrações

Por Tamiris Toschi

IMG_6017

Juventude negra é o principal foco das atividades.

O dia da consciência Negra é comemorado hoje, 20 de novembro, mas a cidade está com programação para a semana toda.  As atividades começaram na última  segunda feira com a abertura da semana da Consciência Negra e da Cultura Afro-Brasileira organizada pela Funalfa. Na terça-feira as atividades se iniciaram com a Feira de Artesanato da Associação de Mulheres Negras Chica da Silva, no mercado Municipal. Na parte da noite o Grupo Tambor Mineiro fez apresentação no Centro Cultural Dnar Rocha, logo após a apresentação, o professor  da UFJF, Wedencley Alves, ministrou uma palestra sobre “O  quer a junventude negra em JF?”.

Hoje, as atividades começaram por volta das 18h com a  abertura do X ExpoAfro Abassá Yá Oya Ynguerecy no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas. A responsável pela exposição, Mãe Noemi (como prefere ser chamada), afirma que  há 10 anos ExpoAfro busca difundir o Candomblé, religião originalmente negra. “Todos podem conferir os objetos usados no terreiro, inclusive a macumba que na verdade é um tambor usado nas cerimonias.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com 1h de atraso, a apresentação do grupo  de danças tipicas Conbrafrica – Conexão Brasil/África, aconteceu na Praça Antonio Carlos. O Grupo é formado por  intercambistas da UFJF que vieram de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau e República Democrática do Congo.  Um dos integrantes do Grupo, Aron Amano do Congo, há 4 anos em Juiz de Fora, ressalta que a Cultura Africana ainda é muito forte no Brasil principalmente na culinária. Além disso, o estudante afirma que o mais importante nesta semana é a oportunidade de troca de experiências, compaixão pelo povo, reconhecimento e conexão com a Africa. Logo após a apresentação do grupo, o Quarteto Viceral realizou um show com musicas típicas.

Confira a entrevista completa:

No mesmo horário o  Museu de Arte Moderna Murilo Mendes realizou  o primeiro Sarau Literomusical Afro-Brasileiro. O evento buscou valorizar autores negros que escrevem sobre a temática Afro. Para acompanhar as recitações, a Confraria do Choro tocou músicas típicas da cultura africana.  O sarau ainda contou com danças típicas e participação dos alunos da Escola Muninicipal Jaime Dante Brochado e do Afro Clube do Colégio Militar com narração de histórias.

Difundido a Cultura Afro

IMG_6049Pamela Silva, vendedora, diz ter se encantado com a apresentação das danças típicas africanas. “É muito bom evento assim, a gente acaba conhecendo muita coisa”. Contudo, Pamela criticou a divulgação do evento  “É uma pena que não divulgam direito. Sorte que eu passei por aqui” .

A participante da comissão de organização do evento, Ivana Leão, afirmou que a Semana da Consciência Negra foi o evento mais divulgado da Funalfa este ano e que sempre acontece de ter pessoas que não sabem da realização. Para Ivana, o evento possibilita a visibilidade da cultura negra para a  população  da cidade que antes era invisível.

As atrações vão até sábado e a expectativa da comissão organizadora é que mais pessoas possam prestigiar e o evento possa crescer ainda mais.

O evento acontece durante toda a semana por estar previsto na Lei Municipal nº 11.769, de maio de 2009, que determina que as comemorações aconteçam entre os dias 15 e 20 de novembro. As datas são referentes à Proclamação da República e ao dia da morte de Zumbi dos Palmares.

Confira a programação para os próximos dias:

21/ 11 – Quinta-feira 
19h – Câmara Municipal de Juiz de Fora
Cerimônia de entrega da Medalha Nelson Silva

22/ 11 – Sexta-feira 
19h – Centro Cultural Dnar Rocha
Apresentação do vídeo “O Exu no Reino de Ogum”. Direção Carlos Reyna
Palestra: “A história do Candomblé e da Umbanda”, com Rogério Athayde, escritor, professor e sacerdote de Ifá (Babalawo), e Cláudio Falcão, professor e Babalawo com diversas palestras e cursos relativos à religiosidade afrodescendente de tradição yorubá.

Debatedores: Maria Enóia Correa de Souza, coordenadora da Associação Abassá Yá Oya Ynguerecy, e Carlos Reyna, professor de cinema do Instituto de Artes e Design e de antropologia visual do programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFJF

23/11 – Sábado 
11h – Parque Halfeld
Concentração para a “Passeata Axé-Zumbi pela Igualdade Racial”
13h – Praça Antônio Carlos
“Ato Ecumênico” com representantes das religiões presentes
14h às 16h – Apresentação de entidades participantes
Oficinas: do corpo, danças africanas, tranças afro
Artesanato, comidas afro-brasileiras, ervas e plantas medicinais

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: