Skip to content

Internet de smartphones é precária em Juiz de Fora

Manaus-Amazonas-Amazonia_ACRIMA20130523_0029_15Publicado por Daniela Ananias, em 07/05

Comemorando seis meses de instalação na cidade, o serviço de internet 4G ainda está apresentando muitos problemas. A rede, que é utilizada por smartphones e tablets mais comummente, não apresenta uma velocidade miníma para garantir sua eficiência. “É muito raro encontrar-mos algum usuário que utilize a velocidade que realmente contratou. Em média, a qualidade da conexão oferecida não chega até metade do que o contrato estipula”, afirma o especialista em redes móveis, Ramom Rocha. Gerente de uma empresa da cidade, Diego Dias necessita de acesso constante à internet de seu celular. Mas, segundo ele, tem que contar com a sorte para conseguir se conectar: “se chove para, se sobre carrega também. Mas, o pior são os momentos em que eu tenho que ir em determinados bairros da cidade que não tem sinal nenhum, e olha que são regiões centrais e bem desenvolvidas, como a própria Universidade’, lamenta Diego. Dona de uma agência de viagens do Centro de Juiz de fora, Claudia Wischansky também passa pelos mesmos problemas relatados por Diego. “Já troquei de operadora duas vezes somente esse ano. Não enxergo mais solução e vejo que perco oportunidades de negócios diariamente por conta dessa deficiência estrutural”.

 

Números do Procon confirmam problemas

Líderes absolutas nas reclamações do Procon de Juiz de Fora, as empresas de telefonia móvel recebem mais de 80% das queixas referentes à internet. Segundo o órgão, em 2013 apenas uma empresa de telecomunicações recebeu mais de 1.495 reclamações, o que equivale a 20,45% do total de reclamações.

Veja  alista das reclamações fundamentadas em 2013

 

Especialista afirma que topografia não impede qualidade

De a cordo com o especialista em Redes Móveis, Ramon Rocha,  a alegação de que o relevo da região não permite um sinal de qualidade não é verdadeira. “Muitos técnicos afirmam que o excesso de morros na cidade impede a propagação adequada do sinal e, consequentemente, a eficiência do serviço. No entanto, para driblar a questão topográfica bastaria que as operadoras investissem na instalação de mais antenas. Situação comum em muitas partes do mundo”.

 

Confira o áudio da entrevista com o especialista em redes aqui

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: