Skip to content

Comércio se preocupa com feriados de 2014

Publicada por Daniela Ananias, em 16/04

 

Um bom feriado sempre agrada estudantes e trabalhadores, mas no caso dos comerciantes os dias parados podem acabar representando um prejuízo no final do mês.”A gente torce pra São Pedro ajudar, pois só fazendo um tempo ruim que o juizforano deixa de viajar e conseguimos manter nosso movimento normal nos feriados prolongados “, relata o maitre de um restaurante da cidade, Adenilson Brugger. 

 

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a preocupação de Adenilson é, de fato, correta. Os feriados nacionais e estaduais que ocorrerão no final de abril deverão provocar um impacto negativo de R$ 3,07 bilhões no varejo brasileiro. Além da Sexta-Feira Santa (18 de abril) ainda teremos o feriado de Tiradentes (21 de abril). Com base nas pesquisas mensais e anuais de comércio e nas contas nacionais trimestrais do IBGE, a Confederação estima que, em termos nacionais, cada feriado provocará um impacto negativo de 9,2% na lucratividade mensal do setor.

Esse ano em especial está tirando o sono de muitos comerciantes de Juiz de Fora. Serão mais de oito feriados prolongados. Isso sem falar na Copa do Mundo e nas Eleições. Proprietário de uma loja de acessórios e manutenção automotiva, Gerson dos Santos confia nos eventos esportivos para movimentarem seus rendimentos. “O que mais preocupa é a incerteza.

Acredito que muita gente deva viajar na Copa, mas por enquanto os feriados tem prejudicado muito nosso faturamento. Mesmo com folgas prolongadas os clientes tem preferido deixar de viajar, e consequentemente de fazer a manutenção necessária nos veículos, e estão economizando para a época dos jogos”, comenta o comerciante.

Para não fechar o mês no vermelho, muito comerciantes optam por funcionar em horários alternativos. “Acabei prolongando o horário em alguns dias. Assim acabamos compensando a parada nas datas comemorativas trabalhando algumas horas a mais”. Proprietária de uma loja de roupas, Gisele Koga afirma que consegue manter as vendas, mas que o lucro acaba não sendo o mesmo: “essas horas a mais tem um custo extra. Seja de funcionários ou mesmo de energia elétrica”, completa a lojista.

Confira aqui a conversa em áudio com os lojistas de Juiz de fora.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: